SERPENTINA

O Monte da Mesquita tem em pastoreio extensivo, cinquenta e cinco animais adultos fêmea e cinco animais adultos macho caprinos da Raça Serpentina, inscritos no Livro Genealógicos da Raça e em vias de extinção.

As crias do sexo feminino que possuam características típicas são mantidas para a reprodução. 

Os machos e as restantes fêmeas são vendidos para os conhecidos Cabritos Alentejanos IGP (carcaça/carne proveniente do abate de caprinos inscritos no Livro de Nascimentos, filhos de pai e mãe inscritos no Livro de Registo Zootécnico e/ou Livro Genealógico de Raça Caprina Serpentina).

O processo de produção de cabritos Serpentina, do nascimento à venda, é acompanhado pela Associação Portuguesa de Caprinicultores de Raça Serpentina.

Acerca da Raça Serpentina existe muito por dizer e quanto à morfologia destes animais existem muitos aspetos pelos quais são selecionados. Assim os mais curiosos podem consultar o seguinte link www.cabraserpentina.pt

Vamos assim referir a pelagem, para melhor identificação dos nossos visitantes. 

A pelagem destes animais é branca ou creme. Tem listão preto que, por vezes, se alarga na parte posterior, desde a região sagrada até á cauda, e em alguns casos de forma pronunciada. O ventre é preto assim como a parte interna das orelhas, a face, o focinho e a extremidade dos membros, a partir do joelho e do curvilhão.

As cabras Serpentinas, nome pelas quais são conhecidas hoje em dia, durante vários anos, o seu nome sofreu algumas mudanças, assim como os animais que passaram de um lado para o outro e cresceram em número. Primariamente  porque a maior concentração foi em Espanha, onde eram conhecidas como cabras Espanholas ou Castelhanas. Mais tarde, devido à sua proximidade transfronteiriça, o nome foi alterado para Raiana e, por fim, com os números crescentes nos cabeços de Serpa, ficaram conhecidas por Cabras Serpentinas até aos dias de hoje. 

A Cabra Serpentina é considerada em perigo de extinção.

Os nossos cabritos...

Cabrito Alentejano IGP...